As principais razões pelas quais nos lesionamos: Parte 2

Na primeira parte deste artigo abordamos os seguintes temas como potenciais causadores de lesões articulares:

1. Não ouvir o que o nosso corpo nos diz

2. Má preparação para a prática de exercício físico

3. Alongar frequentemente os músculos

4. Fazer demasiado “cardio”

 

Assim, para finalizar o artigo:

5. Treinos baseados em protocolos estanques

Imaginem que um dia acordam e decidem que querem começar a fazer exercício físico para perder peso e para se sentirem mais saudáveis (podia ser outro objectivo). Vão à internet e descobrem um programa de treino miraculoso do guru “X” ou na revista “Y”.

Sendo o programa bastante agressivo (como são a maioria dos programas pré-definidos para este efeito), ao fim de 5 treinos lesionamo-nos.

O que é que isto no diz? Que treinar com programas massificados, do tipo “chapa 5” para toda gente é uma péssima opção. Mas porquê? Por não terem em conta centenas de aspectos que têm que ser seriamente considerados quando iniciamos a prática de exercício físico tais como: tolerância das articulações para o tipos de carga imposta pelo exercício, capacidade dos músculos tolerarem essa carga, capacidade dos músculos contraírem adequadamente durante toda a amplitude articular, tolerância do próprio corpo do ponto de vista metabólico e endócrino ao esforço imposto, capacidade de executar os exercícios adequadamente, patologias existentes, entre muitos e muitos outros aspectos.

Resumindo, planos de treino pré-definidos não consideram a individualidade de cada pessoa e como tal podem ser potencialmente lesivos para a saúde das nossas articulações.

 

1a316cd4489412cfdeb387f68695d248.jpg

 

6. Utilizar sempre a mesma rotina de treino

Este é um aspecto que eu que acontece com muita frequência nos ginásios. Por algum motivo algumas pessoas acham que conhecem o seu corpo melhor que ninguém e nem mesmo os profissionais que estudam esta área o sabem melhor que elas. E assim, desenvolveram o seu próprio plano de treino mágico que lhes trará todos os resultados possíveis e imaginários 🙂

Acontece que realizam esse plano de treino há muitos anos sem que hajam quaisquer mudanças, e isto, lá está, por causa de uma crença sem fundamento.

A maioria das pessoas que eu conheço que realizam os seus próprios programas de exercícios há muitos anos, sem realizarem qualquer variação na sua rotina, ou estão lesionados ou queixam-se de algum tipo de dor articular.

Porque motivo isto acontece então? Por uma razão muito simples. Por desrespeito por um dos princípios de treino que é o da variabilidade.

Mas porque é então importante variar a rotina de treino? Em primeiro lugar penso que devemos procurar alguém qualificado para nos ajudar com o processo de treino.

No que diz respeito a variar a rotina de treino, é algo fundamental durante um planeamento de treino de forma a distribuir as cargas (forças) ao redor das articulações. Se, ao longo de anos exercermos a mesma carga de forma contínua sobre as mesmas estruturas qual acham que poderá ser o resultado? Ao variarmos os exercícios, modificamos o stress e a zona onde ele é aplicado, dando continuidade à progressão de forma a atingirmos os nossos resultados e evitando potenciais danos articulares. No entanto, todas estas alterações têm que ser estrategicamente administradas e por isso volto a sublinhar a importância de consultar um profissional qualificado.

Por outro lado excesso de variação durante o processo de treino pode também ser contraproducente na medida em que a homeostasia é frequentemente desafiada, não permitindo às nossas articulações terem tempo suficiente para ser adaptarem aos estímulos que lhes são impostos.

 

7691b0a70c92ca33b36f925ed04dbca7

 

7. Acreditar em crenças sem fundamento científico

Na primeira parte deste artigo, no ponto 1 já escrevi um pouco sobre a crença de que treinar com dor é positivo. Mas essa não é a única. Existem muitíssimas mais! E por vezes essas crenças são perpetuadas pelos próprios profissionais quer de exercício quer de reabilitação.

Uma das crenças mais graves é o assumir que todas as pessoas se movimentam da mesma forma. Ou seja, que a formato de cada articulação é igual para todos os seres humanos. E isso não é verdade de todo!

Já ouviram esta? “Toda a gente consegue, com muito treino, fazer a espargata”! BAAMMM!!! Aquele som dos concursos de televisão quando alguém erra uma resposta 🙂

Ou esta. “Toda gente deve ser capaz de fazer um agachamento profundo até as coxas tocarem nos gémeos”!! BAAMMM!!!

As articulações simplesmente não são iguais porque existem diferenças nas superfícies articulares (pude constatar isso em aulas de anatomia cadavérica), ditando assim, a quantidade de amplitude que cada articulação tem para se mover.

 

01fbbfece42dc2a4782958596692812e63e97a164f1f018a152a2e4fd471ff71

 

8. Não progredir adequadamente

A progressão é um aspecto fundamental para a prevenção de lesões. No ponto 6, pudemos constatar como realizar sempre a mesma rotina de exercício, exercendo o mesmo stress sobre as mesmas estruturas pode ser nefasto para as nossas articulações. Não obstante, progredir de forma desadequada também o é.

Queiram considerar o seguinte exemplo. Imaginem que estão a fazer um determinado programa de exercício no vosso ginásio e decidem ir começar a fazer uma aula de grupo de SUPER HYPER MEGA POWER REBENTA CONTIGO! (fui eu que inventei este nome 🙂 No dia a seguir estão de cama e não se mexem. Ora o que se passou aqui? Uma péssima progressão! Este tipo de estímulos aplicados de forma contínua podem conduzir a quê? Pois é.

Mas vamos ainda a um exemplo mais simples. Imaginem que decidem mudar o plano de treino e que em vez das 15 repetições que estavam a fazer, aumentam a carga de tal forma que só conseguem fazer 8 em todos os exercícios. Naturalmente no dia seguinte a fadiga muscular é enorme ao ponto de terem dificuldade em movimentarem-se. Este tipo de sintomas não são positivos mesmo que haja a crença de que isso é que é positivo para atingir resultados. Lembram-se do que escrevi no primeiro ponto da primeira parte deste artigo relativamente aos alertas que o nosso corpo nos dá? 

A carga é apenas uma das variáveis a progredir. Existem muitos outros que devem ser manipulados de forma cuidadosa e estratégica tendo em conta as particularidades e a investigação que fazemos de cada pessoa.

Não digo, com isto, que a fadiga muscular seja algo negativo, mas é como tudo, numa dose exagerada e ao prolongar-se durante muito tempo…

Ultrapassar os nossos limites fisiológicos de forma sistemática pode enfraquecer o corpo não só a nível articular como pode trazer outras consequências sérias para a nossa saúde.

A progressão deve ser planeada de forma estratégica e a um ritmo lento. Ou seja, à velocidade das estruturas que levam mais tempo a adaptar-se como os tendões, ligamentos, cartilagem articular e cápsula articular.

 

soremuscles

 

Boa leitura e até ao próximo artigo.

 

Contactos:

Télemóvel: 939 442 744

Email: info@neural-touch.com

Facebook: www.facebook.com/neuraltouch

Google+: https://plus.google.com/u/0/118242189471189628903/posts

Twitter: http://twitter.com/NeuralTouch

Instagram: https://www.instagram.com/neuraltouch/

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/neuraltouch?trk=company_logo

 

O que são as Técnicas de Activação Muscular e o que podem fazer por si

No artigo anterior escrevi sobre a importância da contracção muscular para a prevenção, e de alguma forma também, para a recuperação de lesões articulares.

Neste artigo, irei abordar o que são as Técnicas de Activação Muscular ou MAT (Muscle Activation Techniques) e de como vos podem ajudar quer na prevenção como na recuperação de lesões articulares.

De forma simples poderia descrever o MAT como um processo cujo objectivo é o de melhorar a contracção muscular.

 

Mas não teremos nós a capacidade para contrair os nossos músculos sempre que nos apetece?

 So-that-muscle-contraction-was-for-nothing-meme-26160
 

A resposta não é assim tão simples. E para explicar melhor que causas poderão contribuir para a debilidade muscular escreverei um artigo dedicado a esse tema.

Mas posso adiantar que com a sobrecarga, fadiga ou instabilidade articular o nosso corpo gera mecanismos de protecção das nossas articulações para nos proteger das lesões.

 

O nosso corpo tem a capacidade de detectar instabilidade articular através de receptores espalhados pelos músculos, pele e nas próprias articulações.

 

Ao comprometer qualquer uma destas estruturas, como por exemplo ao levantar um objecto cujo peso excede a força que os nossos músculos conseguem produzir, comprometemos também a capacidade dos nossos receptores informarem o sistema nervoso do estado das nossas articulações, gerando-se assim instabilidade.

Desta forma, o nosso sistema nervoso gera tensão muscular como um mecanismo protetor na tentativa de conferir estabilidade a uma articulação instável. Qual parte chata disto? A tensão muscular incomoda e não é pouco.

Para além do desconforto provocado, a tensão muscular provoca limitação de movimentos. Neste sentido, quando é restaurada a estabilidade articular, o sistema neuromuscular deixa de produzir esta resposta protectora.

 slider_01-alt.png

Ora reparem no seguinte exemplo:

Já alguma vez sentiram aquela tensão terrível nos músculos por cima dos ombros, passando pelo pescoço até à parte de trás da cabeça?

Pois bem, apesar do incómodo causado, trata-se de um mecanismo protector desencadeado pelo próprio corpo. E não, não pensem se quer em tentar esticar ou colocar lá os dedos ou cotovelos para ver se aquilo passa. Contrariar o corpo só provocará uma resposta mais acentuada do mesmo. Terei oportunidade de falar um pouco sobre isto noutro artigo.

Portanto, essa tensão é um mecanismo protector gerado para tentar conferir estabilidade às articulações que o sistema nervoso sente que estão instáveis. Neste caso, são o ombro e a cervical.

Ok, então como se resolve este problema?

Procurando a causa da instabilidade! Mas como? É aí que as Técnicas de Activação Muscular encaixam que nem uma luva.

O primeiro passo do processo de Activação Muscular é avaliar cada articulação para ver como está a funcionar.

Caso haja alguma limitação no movimento dessa articulação, seguidamente testa-se todos os músculos responsáveis por realizarem esse movimento.

No que nos estamos a focar então? Nos músculos fracos! Nos que não têm capacidade de contrair e comunicar adequadamente com o nosso sistema nervoso central.

Depois de se encontrarem os músculos fracos nos testes manuais para avaliar a sua força e resposta, realiza-se uma palpação manual para devolver essa capacidade de produzir força ao músculo.

E agora? Como sabemos se o músculo já está forte? Volta-se a repetir o teste para ter a certeza que o músculo já consegue tolerar cargas.

Depois de repetir estes passos para todos os músculos fracos, volta-se a avaliar o movimento da articulação para verificar se já tem toda a sua mobilidade ou se ainda se encontra com restrição de movimento.

 

collar man

 

Resumo do processo de Activação Muscular

1º Passo: Avaliar o movimento em cada articulação comparando entre lado direito e esquerdo

2º Passo: Caso haja limitação no movimento numa articulação, testar a força e a resposta de todos os músculos que realizam esse movimento

3º Passo: Palpação manual dos músculos fracos de modo a criar o efeito de Activação Muscular

4º Passo: Voltar a realizar um teste de força e resposta muscular para avaliar se o músculo já consegue contrair e tolerar cargas

5º Passo: Avaliar novamente o movimento articular para verificar se já não está restrito

Pode-se comparar este método a uma ida ao mecânico onde se procede a uma análise de cada peça do sistema para encontrar a causa do problema. Da mesma forma que um desalinhamento na direcção de um automóvel é notório no desgaste assimétrico dos pneus, também o desgaste articular pode ocorrer devido a desequilíbrios musculares.

Depois de todo este processo, o objectivo é corrigir a causa da disfunção de forma a permitir ao nosso corpo um reequilíbrio mais fácil permitindo assim uma recuperação mais rápida.

E mais! Com a capacidade restaurada dos nossos músculos poderem contrair, pode-se assim eliminar os movimentos parasitas e fonte de dor articular. Os movimentos parasitas são aqueles que nós temos que fazer quando não conseguimos contrair adequadamente os músculos para evitar certas posições difíceis.

 

Resumo do que é o MAT:

  • É um método revolucionário na avaliação e correcção de desequilíbrios musculares, estabilidade articular e limitações de movimentos no corpo humano
  • Método não invasivo concebido para a prevenção, reabilitação de lesões e aumento da performance desportiva para pessoas de todas as idades
  • Um sistema único que ajuda os músculos a contrair eficientemente
  • O foco da intervenção é na causa e não o sintoma

IMG_0039

 

Em que patologias poderão as Técnicas de Activação Muscular ser úteis:

  • Tensão Muscular
  • Lombalgias
  • Cervicalgias
  • Bursites
  • Conflito fémuro-patelar
  • Síndrome da banda ílio-tibial
  • Tendinite do supra-espinhoso
  • Fasciite Plantar
  • Neuroma de Morton

Na minha prática utilizo as Técnicas de Activação Muscular como a fundação de todo o meu processo de trabalho.

Se não se devolver aos músculos a capacidade de contraírem quando solicitados, então estaremos perante músculos que têm uma tolerância muito baixa para suportarem cargas (não só externas, mas inclusive as do próprio corpo), e desta forma não se poderá progredir para as fases seguintes quer durante a reabilitação de lesões quer quando se pretende a melhoria do desempenho desportivo.

Mais sobre as Técnicas de Activação Muscular e o meu processo de trabalho no link seguinte: http://neural-touch.com/index.php/servicos#reabilitacao

 

Contactos:

Télemóvel: 939 442 744

Email: info@neural-touch.com

Facebook: www.facebook.com/neuraltouch

Google+: https://plus.google.com/u/0/118242189471189628903/posts

Twitter: http://twitter.com/NeuralTouch

Instagram: https://www.instagram.com/neuraltouch/

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/neuraltouch?trk=company_logo