Os 5 principais erros de reabilitação que…nos mantêm lesionados

Já vai longo o tempo em que continuamos lesionados e não conseguimos perceber porque é que aquela dor chata persiste e não vai embora.

Hmm… Se calhar vale a pena começar a questionar o que estamos a fazer para recuperar dessa mesma lesão. Será que a metodologia de reabilitação que nos “prescreveram” é adequada?

Vamos então conhecer os 5 principais erros mais comuns que a maioria das pessoas insiste em fazer e que…só os ajudam a manter-se no mesmo estado, ou seja, lesionados!

 

1. Alongamentos passivos

Quem já leu alguns dos meus artigos saberá o quanto desaconselho o uso desta prática!

Existem várias razões pelas quais os alongamentos passivos são desaconselhados e algumas já as enumerei nos seguintes artigos link e link.

Dores nos joelhos? Solução: esticar os isquiotibiais. Dores nas costas? Solução: esticar os isquiotibiais outra vez e mais umas quantas posições loucas de rotação da coluna para esticar não se sabe bem o quê. Dor no tendão de aquiles? Solução: esticar os gémeos.

Se por cada vez que alguém dissesse que para todos os problemas ortopédicos deveríamos esticar (não sei bem o quê) as articulações e eu ganhasse um euro, estaria numa situação financeira bem superior  🙂 

Hei-de escrever mais aprofundadamente sobre este tema, mas a verdade é que há muito pouca evidência de que “esticar” os músculos/articulações faz mais do que aumentar a amplitude articular. Aliás existe evidência suficiente a referir que o que está efectivamente a acontecer é um aumento da tolerância à dor do alongamento e não ganho de amplitude articular.

No fundo se continua a esticar e o problema não passa, talvez seja o momento de deixar essa prática de lado.

 

Picture1.png

 

2. “Auto-libertação miofascial” (O quê?!)

É isso mesmo. Deram um nome de marketing à acção de passar um rolo (qualquer dia tem o formato de um da massa) sobre o corpo ou vice-versa.

Analisemos o termo “Auto-libertação miofascial”. Auto – eu próprio. Libertação – vou-me livrar de. Miofascial – vou-me livrar da fáscia que envolve os meus músculos e o resto do corpo?!!

Eu penso que é tão ridículo que diz tudo. No entanto, para quem não sabe e tem dúvidas, eu esclareço. Não é um rolo que nos vai “libertar da nossa fáscia”. A única forma que neste momento estou a ver de nos livrarmos da nossa fáscia é com um BISTURI! No entanto, não me parece de bom senso querermo-nos “libertar da fáscia” visto que esta é um elemento muito importante do nosso corpo que vale a pena preservar.

Esta prática tornou-se na nova grande moda. Existem montes de cursos por todo o lado sobre esta moda que começou há mais de 15 anos.

Para que se saiba também tenho um rolo destes que comprei há quase…10 anos, quando ainda não havia esta moda em Portugal. E deixei de usar pouco depois , quando me dediquei a estudar devidamente alguns dos seus efeitos. Aliás, eu quando utilizava esta técnica era conhecido no meio como Pedro o Calceteiro do Fitness 🙂

O rolo que tenho felizmente, não é tão agressivo como os que vejo hoje em dia que são verdadeiros instrumentos de tortura. No entanto, o meu está guardado no baú das más recordações do fitness.

Ora sem precisar de recorrer à ciência temos…o bom senso. Se doí numa determinada parte do corpo será que infligir mais dor irá fazer essa dor passar?! Parece-me que não.

Como dizia o meu amigo Paul Argent sobre estes rolos “se temos uma dor de cabeça não vamos utilizar o berbequim no crânio para a fazer passar”. 

Deixo-vos o link para o artigo que ele escreveu sobre o uso destes rolos.  

Depois, sendo a fáscia um elemento tão complexo e que envolve e penetra o corpo de forma tão profunda como se pode dizer que usar o rolo vai trabalhar só a fáscia?! E todo o esmagamento que ocorre entre o rolo e o corpo como por exemplo da pele, gordura, veias, possivelmente artérias, compressão óssea, etc. Será isto saudável? Não, é moda!

Existe também a justificação do uso destes rolos para resolver o problema dos… “trigger points”. Mais um tema para explorar num próximo artigo. No entanto, embora hajam livros inteiros escritos sobre trigger points, a investigação não os encontra. 

Depois há a tentativa de esticar a banda iliotibial, que não é possivel ser esticada porque tem quase as propriedades de um cabo de aço!

O tema da fáscia é demasiado extenso e complexo para estar a disseminar neste artigo. No entanto, para trabalhar algo específico é necessário uma abordagem manual específica e com minucia e não um com um rolo que abalroa tudo indiscriminadamente por onde passa!

O trabalho fascial é muito complexo e como tal é necessário ser realizado por alguém que entenda a neurofisiologia e mecânica da fáscia. Por isso o meu conselho é deixemos o trabalho fascial para quem se dedica a esta temática.

 

Picture2.png

 

3. Os músculos vilões VS músculos heróis

Já alguma vez ouviram o vosso treinador ou terapeuta dizer que têm o músculo X encurtado e o Y alongado? Ou melhor, já ouviram dizer que os músculos vilões são o Psoas Ilíaco, o Piramidal ou o Tensor da Fáscia Lata? E que os músculos heróis são os Glúteos (todos), o Transverso Abdominal ou os Isquiotibiais?

Felizmente já não tenho que ouvir isto todos os dias.

Deixemos a ciência de lado e vamos mais uma vez ao bom senso. Ora se temos aproximadamente 650 músculos no nosso corpo, porque é que só estes é que são bons e outros os maus?! Não há mais músculos?

Será que continuar a alongar passivamente uns e contrair forçadamente outros trará resultados? A mim parece-me um tiro no escuro! Aliás, com a complexidade que temos dentro do nosso corpo, esta abordagem parece-me demasiado redutora.

E que tal avaliar cada peça e ver o que pode estar a acontecer em cada articulação ou em cada divisão de cada músculo? Será que cada músculo é capaz de comunicar eficientemente com o sistema nervoso e vice-versa? Será que tem tolerância a uma determinada força?

Cada corpo é um corpo e cada sistema nervoso responde de forma diferente. E nesse sentido temos que ser mais precisos/analíticos na nossa análise do problema.

 

Picture3.png

 

4. “Exercícios de reabilitação”

Existe esta crença que existem exercícios de reabilitação e exercícios de treino. A verdade é que não passa de uma crença. O que de facto existe é a necessidade do cliente/paciente. Embora na reabilitação física se utilizem mais os elásticos, bolas e superfícies instáveis isso não faz com que estes exercícios sejam de reabilitação e/ou mais específicos para as necessidades articulares dos pacientes.

Os elásticos, utilizados de determinadas formas, acabam por colocar uma carga excessiva sobre a articulação dada as suas propriedades mecânicas, tornando-os assim desadequados.

O mesmo acontece com as bolas e superfícies instáveis. Não é por adicionar mais instabilidade que se vai tornar uma articulação mais estável. Primeiro domina-se o estável e depois avança-se para a instabilidade. Mas mesmo assim tem que ser de forma criteriosa. Desta forma o recurso às Técnicas de Activação Muscular configura um excelente método para avaliar se a orquestração por parte do sistema nervoso ao sistema muscular consegue ser sólida o suficiente para tolerar a instabilidade imposta por estas superfícies.

Só um aparte reparem na imagem do canto superior direito abaixo, é a minha favorita. O senhor não tem a capacidade de se manter em pé? Não faz mal! Suspendêmo-lo com uma espécie de grua para o colocar a fazer malabarismo num skate!

Outro aspecto importante é a manipulação de forças para fazer face ao problema. Ou seja, a construção do exercício para a necessidade da articulação afectada. E isso só se consegue com conhecimento em biomecânica.

 

Picture5.png

 

5. Exercícios multi-articulares

Ok, até aqui estivemos a esticar músculos e articulações, esmagá-los com um rolo e demos-lhe mais instabilidade com uma superfície instável, o que se segue então (tratamos bem o nosso corpo 🙂 )? Tornar os músculos mais fortes!

E como se faz isso? Com exercícios de “força” multi-articulares. Certo? Erradíssimo!

Em casos específicos, temos que ser específicos. Não são soluções globais e/ou gerais que vão resolver o problema. Não é por me doer as costas que a solução é ir fazer natação como ouço tantas vezes!!

Todas as peças do puzzle têm que ser analisadas. O exercício global só vai reforçar a compensação. A debilidade não passa como que por magia. É necessário identificá-la e devolver capacidade contráctil aos músculos que estão fracos.

Por outro lado o que vos parece que é mais fácil para o sistema nervoso, focar numa articulação ou em várias ao mesmo tempo? É isso mesmo. 

Como já referi num artigo anterior, não são os exercícios que são funcionais, são as articulações. Nós apenas temos que desenvolver os exercícios (depois de devida avaliação articular) que respeitem e potenciem o funcionamento da articulação envolvida.

 

Picture6.png

 

No próximo artigo irei apresentar algumas soluções práticas que podem ser introduzidas no treino de forma a prevenir lesões e que também podem contribuir para ajudar na reabilitação de lesões articulares.

 

Boas leituras!

 

Contactos:

Télemóvel: 939 442 744

Email: info@neural-touch.com

Facebook: www.facebook.com/neuraltouch

Google+: https://plus.google.com/u/0/118242189471189628903/posts

Twitter: http://twitter.com/NeuralTouch

Instagram: https://www.instagram.com/neuraltouch/

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/neuraltouch?trk=company_logo

 

Referências:

Weppler CH, Magnusson, SP. Increasing muscle extensibility: amatter of increasing length or modifying sensation? Phys Ther. 2010; 90:438–449.

Law RYW, Harvey LA, Nicholas MK, et al. Stretch exercises increase tolerance to stretch in patients with chronic musculoskeletal pain: a randomized controlled trial. Phys Ther. 2009; 89: 1016–1026.

Magnusson SP, Simonsen EB. A mechanism for altered flexibility in human skeletal muscle. Journal of Physiology.1996; 497(1): 291-298 .

Halbertsma J, Goeken L. Stretching Exercises: Effect on passive extensibility and stiffness in short hamstrings of healthy subjects. Arch Phys Med Rehabil. 1994; 75.

Aquino C, Fonseca T. et al. Stretching versus strength training in lengthened position in subjects with tight hamstring muscles: A randomized controlled trial. Manual Therapy. 2010; 15: 26–31.

Falvey EC, Clark RA. et al. Iliotibial band syndrome: an examination of the evidence behind a number of treatment options. Scand J Med Sci Sports. 2010; 20(4):580-7.

Miller J, Rockey A. Foam Rollers Show No Increase in the Flexibility of the Hamstring Muscle Group. Journal of Undergraduate Research IX. 2006.

Kanghoon K, Sunghyun P. Effect of Self-myofascial Release on Reduction ofPhysical Stress: A Pilot Study. J. Phys. Ther. Sci. 2014; 26: 1779–1781.

Li, Y, Cao, C, and Chen, X. Similar electromyographic activities of lower limbs between squatting on a reebok core board and ground. J Strength Cond Res. 2013; 27(5): 1349–1353.
Granacher U, Schellbach J. Effects of core strength training using stable versus unstable surfaces on physical fitness in adolescents: a randomized controlled trial. BMC Sports Science, Medicine and Rehabilitation. 2014; 6 (40).
Quintner JL, Cohen ML. Referred pain of peripheral nerve origin: an alternative to the “myofascial pain” construct. Clin J Pain. 1994; 10(3): 243-51.

Lucas N, Macaskill P, et al. Reliability of physical examination for diagnosis of myofascial trigger points: a systematic review of the literature. Clin J Pain. 2009; 25(1): 80-9.

Quintner JL, Bove GM, Cohen ML. A critical evaluation of the trigger point phenomenon. Rheumatology (Oxford). 2015; 54(3): 392-9.

Myburgh C, Larsen AH, Hartvigsen J. A systematic, critical review of manual palpation for identifying myofascial trigger points: evidence and clinical significance. Arch Phys Med Rehabil 2008; 89: 1169-76.

2 thoughts on “Os 5 principais erros de reabilitação que…nos mantêm lesionados

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s