A melhor “postura” a adoptar

No artigo anterior explorámos as diferenças anatómicas que todos temos nos nossos ossos e articulações e como estas condicionam a forma como nos movemos.

Apresentei como exemplos a espargata e o agachamento. Dadas as considerações discutidas facilmente se deita por terra o uso do agachamento como instrumento de avaliação postural bem como as pseudo correcções posturais (provavelmente já ouviram esta designação). Não existem especialistas em exercício correctivo ou postural. Porque…a postura não se corrige. E porquê? Porque não se consegue alterar a forma dos ossos. O mito da postura é enorme e tão forte que toda a gente fala nele. Postura é apenas uma posição. É só isso. Neste momento, a escrever este artigo estou numa certa postura. Se isso é bom ou mau, não sei. Provavelmente permanecer demasiadas horas (consecutivamente ao longo de muitos anos) numa determina posição não será positivo para as nossas articulações, mas isso tem a ver mais com a natureza das nossas articulações. Estas vivem do movimento, foram concebidas para tal e não devem permanecer demasiado tempo sem se moverem. Não querendo aprofundar muito este tópico, mas todas as consequências que resultam da falta de movimento articular são bem conhecidas, nomeadamente a perda de massa muscular, perda de força muscular e redução do controlo articular e perda de massa óssea.

 


Picture10.pngPicture11

Todos os supostos desvios que se podem ver nestas imagens podem corresponder a uma variedade enorme de razões. Desde aspectos articulares como vimos no artigo anterior até ao facto de as pessoas não terem controlo suficiente para realizar este skill porque simplesmente nunca o tinha realizado. Forçar as pessoas a adoptarem as supostas posições ou movimentos que acreditamos serem os ideiais…talvez não o sejam para elas.

Eu sei que vou receber muitas críticas por escrever isto  :-).

O exercício não corrige a postura. Pode é alterar a gestão da tensão nos músculos por parte do sistema nervoso. Mas isso não altera a forma dos ossos? Definitivamente não. E a posição das articulações? Também não, elas continuam no mesmo sítio. Então o que se pode alterar? A gestão da tensão que o sistema nervoso gera para exercer controlo sobre os músculos que controlam essa articulação. Quais as consequências da falta de controlo sobre os músculos? Desgaste em várias estruturas que fazem parte das articulações nomeadamente ao nível das superfícies de contacto articular.

A grande questão é qual a definição de postura. Postura significa apenas a posição de onde se vai iniciar o movimento e não aquela postura clássica que se pensa ser a perfeita e que toda a gente (profissionais de exercício e reabilitação incluídos) acha que é a “perfeita” e que encaixa em todos os seres humanos. Podem ver a que postura me refiro na imagem abaixo.

Aliás esta imagem representa o que foi instituído como “ideal” para toda gente, o que exclui quaisquer outras “posturas” como “correctas”.

 

posture

Outro aspecto relevante é o de que toda a postura é avaliada da mesma forma, partindo do pressuposto que toda a gente tem que ter uma “certa” postura. Ou seja, tem que ter aquela postura erecta que podem ver na imagem a baixo. Assim, toda a avaliação postural tem por base aquela postura tipo. Mas será que encaixamos todos naquele modelo? A mim parece-me que não.

 

Vejamos o que a ciência diz sobre postura:

  1. A investigação alerta para o facto de se evitarem fazer recomendações de “exercícios posturais” baseados na avaliação da postura em pé.
  2. A evidência da correlação entre supostas más posturas e dor é muito pobre.
  3. Observações visuais têm muito pouco valor na avaliação da “postura” e dor.
  4. Uma possível alteração na posição (postura) pode estar a ser causada por uma dor e não o contrário.

 

17wkr41g3bxczjpg.jpg

 

Como é que sabemos que uma postura, supostamente incorrecta para muitos, não foi a melhor solução que o nosso sistema nervoso orquestrou? Quem somos nós para termos um complexo de Deus e querermos alterar ou “corrigir” o nosso sistema (foi só um desabafo, já está 🙂 ). O nosso sistema nervoso sabe muito mais sobre o nosso funcionamento interno e como geri-lo do que nós alguma vez o saberemos. Nesse sentido como profissionais devemos procurar conhecer a nossa própria tecnologia interna, aprender com ela e trabalhar com ela. Porque quanto mais lutamos contra o funcionamento do nosso corpo (baseado nas nossas crenças e mitos) mais ele se irá defender da nossa agressão.

Assim, não me parece que faça sentido falar em “exercício correctivo”. Pois tentar encaixar um corpo em algo padronizado (chapa 5 para todos) não é a melhor solução. Os corpos não encaixam em exercícios, são os exercícios que devem ser “desenhados” de acordo com as especificidades de cada corpo. Como? Através de uma avaliação analítica e rigorosa, articulação a articulação, e não de protocolos standard. Nesse sentido, o mais importante são as regras do corpo, pois são estas que definem o exercício.

Outro aspecto importante a reter é o da simetria. Estruturalmente não somos simétricos, por isso forçar simetria nos movimentos das nossas articulações é outro erro comum. Na minha opinião o sensato é tentar perceber o porquê da diferença e tentar trabalhar com ela.

 

4105908

 

Posso contar-vos uma estória real que aconteceu comigo. Estava eu a fazer uma apresentação a colegas terapeutas e pediram-me que avaliasse os ombros de um dos colegas presentes. Realizei a flexão dos dois ombros (um de cada vez e depois os dois em simultâneo) e mantive-me em silêncio. Ao fim de uns segundos começam todos a comentar o quão limitado ele estava naquele movimento. Resultado, a flexão era exactamente igual nos dois ombros e não havia quaisquer sintomas de dor, mas ele “só” conseguia flectir os ombros até aos 160º. Quando o suposto normal é toda gente chegar aos 180º (estou a ser sarcástico). Acreditem ou não mas existem livros onde estão definidos os valores em graus que cada articulação humana tem que ter no movimento ou vários movimentos que podem realizar (incrível não é?). Se houvesse uma limitação considerável num dos ombros comparativamente ao outro, aí sim teríamos motivos para investigar a causa dessa limitação. No final perguntei “já repararam que a flexão é igual dos dois lados e que ele não consegue mais movimento nos dois ombros porque muito provavelmente está limitado pela sua própria estrutura que não lhe permite ter mais movimento?” E fez-se silêncio. Tentar impor-lhe mais movimento para além daquele que ele tinha disponível só lhe causaria dano articular. Por isso pensem duas vezes quando tentarem “alongar” e forçar uma articulação para além da sua amplitude máxima  :-).

Assim, parece-me lógico fazer de cada cliente um caso de estudo, uma constante investigação quer ao longo do processo de treino quer de reabilitação. Por isso cada exercício, cada variação, cada progressão deve ser realizada de acordo com as especificidades articulares de cada pessoa. Não devemos tentar corrigir o que quer que seja nas nossas articulações, devemos sim respeitá-las. Esta sim é a melhor postura a adoptar!

São os corpos que têm as respostas, não somos nós. Nós apenas temos que estar atentos e tentar encontrar essas respostas.

É muito mais fácil ligar o piloto automático, não questionar e seguir as tendências da moda ou um guru qualquer.

Para se conhecer o funcionamento do corpo humano e a forma como este interage com o meio (forças) são necessários anos de estudo em anatomia, fisiologia, neurofisiologia, mecânica articular, mecânica de resistências, entre outras. Trata-se de um processo contínuo, exigente e que não tem fim. Por isso é um processo em que poucos ousam entrar (embora sejamos cada vez mais). Até compreendo por que não existem mais profissionais a tentar estudar mecânica do exercício. Penso que é por ter alguma complexidade e por ter que se tentar visualizar forças que são invisíveis mas que existem na nossa realidade.

 

54cac35873119d2330097fbd4dbd547bca0dfc82a7052764c96c559efa20acdc

 

Para terminar deixo-vos uma frase que representa muito o que penso sobre os mitos que pairam sobre a nossa sociedade:

“É a continuidade histórica que perpectua a maioria das suposições e não a avaliação sistemática da sua validade”. Edward de Bono

 

Boas leituras e até ao próximo artigo!

 

Contactos:

Télemóvel: 939 442 744

Email: info@neural-touch.com

Facebook: www.facebook.com/neuraltouch

Google+: https://plus.google.com/u/0/118242189471189628903/posts

Twitter: http://twitter.com/NeuralTouch

Instagram: https://www.instagram.com/neuraltouch/

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/neuraltouch?trk=company_logo

 

Referências:

Roffey D. et al. Causal assessment of awkward occupational postures and low back pain: results of a systematic review. The Spine Journal. 2010; 10(1): 89-99.

Edmondston S. et al. Postural neck pain: An investigation of habitual sitting posture, perception of ‘good’ posture and cervicothoracic kinaesthesia. Manual Therapy. 2007; 12(4): 363-371.

Youdas J. et al. Lumbar Lordosis and Pelvic Inclination in Adults With Chronic Low Back Pain. Physical Therapy. 2000; 80(3): 261-275.

Lewis J. et al. Subacromial impingement syndrome: The role of posture and muscle imbalance. J Shoulder Elbow Surg. 2005;14:385-392.

Fedorak C. et al. Reliability of the visual assessment of cervical and lumbar lordosis: how good are we? Spine. 2003 Aug 15;28(16):1857-9.

Hirata RP. Et al. Experimental muscle pain challenges the postural stability during quiet stance and unexpected posture perturbation. J Pain. 2011 Aug;12(8):911-9.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s