O que são as Técnicas de Activação Muscular e o que podem fazer por si

No artigo anterior escrevi sobre a importância da contracção muscular para a prevenção, e de alguma forma também, para a recuperação de lesões articulares.

Neste artigo, irei abordar o que são as Técnicas de Activação Muscular ou MAT (Muscle Activation Techniques) e de como vos podem ajudar quer na prevenção como na recuperação de lesões articulares.

De forma simples poderia descrever o MAT como um processo cujo objectivo é o de melhorar a contracção muscular.

 

Mas não teremos nós a capacidade para contrair os nossos músculos sempre que nos apetece?

 So-that-muscle-contraction-was-for-nothing-meme-26160
 

A resposta não é assim tão simples. E para explicar melhor que causas poderão contribuir para a debilidade muscular escreverei um artigo dedicado a esse tema.

Mas posso adiantar que com a sobrecarga, fadiga ou instabilidade articular o nosso corpo gera mecanismos de protecção das nossas articulações para nos proteger das lesões.

 

O nosso corpo tem a capacidade de detectar instabilidade articular através de receptores espalhados pelos músculos, pele e nas próprias articulações.

 

Ao comprometer qualquer uma destas estruturas, como por exemplo ao levantar um objecto cujo peso excede a força que os nossos músculos conseguem produzir, comprometemos também a capacidade dos nossos receptores informarem o sistema nervoso do estado das nossas articulações, gerando-se assim instabilidade.

Desta forma, o nosso sistema nervoso gera tensão muscular como um mecanismo protetor na tentativa de conferir estabilidade a uma articulação instável. Qual parte chata disto? A tensão muscular incomoda e não é pouco.

Para além do desconforto provocado, a tensão muscular provoca limitação de movimentos. Neste sentido, quando é restaurada a estabilidade articular, o sistema neuromuscular deixa de produzir esta resposta protectora.

 slider_01-alt.png

Ora reparem no seguinte exemplo:

Já alguma vez sentiram aquela tensão terrível nos músculos por cima dos ombros, passando pelo pescoço até à parte de trás da cabeça?

Pois bem, apesar do incómodo causado, trata-se de um mecanismo protector desencadeado pelo próprio corpo. E não, não pensem se quer em tentar esticar ou colocar lá os dedos ou cotovelos para ver se aquilo passa. Contrariar o corpo só provocará uma resposta mais acentuada do mesmo. Terei oportunidade de falar um pouco sobre isto noutro artigo.

Portanto, essa tensão é um mecanismo protector gerado para tentar conferir estabilidade às articulações que o sistema nervoso sente que estão instáveis. Neste caso, são o ombro e a cervical.

Ok, então como se resolve este problema?

Procurando a causa da instabilidade! Mas como? É aí que as Técnicas de Activação Muscular encaixam que nem uma luva.

O primeiro passo do processo de Activação Muscular é avaliar cada articulação para ver como está a funcionar.

Caso haja alguma limitação no movimento dessa articulação, seguidamente testa-se todos os músculos responsáveis por realizarem esse movimento.

No que nos estamos a focar então? Nos músculos fracos! Nos que não têm capacidade de contrair e comunicar adequadamente com o nosso sistema nervoso central.

Depois de se encontrarem os músculos fracos nos testes manuais para avaliar a sua força e resposta, realiza-se uma palpação manual para devolver essa capacidade de produzir força ao músculo.

E agora? Como sabemos se o músculo já está forte? Volta-se a repetir o teste para ter a certeza que o músculo já consegue tolerar cargas.

Depois de repetir estes passos para todos os músculos fracos, volta-se a avaliar o movimento da articulação para verificar se já tem toda a sua mobilidade ou se ainda se encontra com restrição de movimento.

 

collar man

 

Resumo do processo de Activação Muscular

1º Passo: Avaliar o movimento em cada articulação comparando entre lado direito e esquerdo

2º Passo: Caso haja limitação no movimento numa articulação, testar a força e a resposta de todos os músculos que realizam esse movimento

3º Passo: Palpação manual dos músculos fracos de modo a criar o efeito de Activação Muscular

4º Passo: Voltar a realizar um teste de força e resposta muscular para avaliar se o músculo já consegue contrair e tolerar cargas

5º Passo: Avaliar novamente o movimento articular para verificar se já não está restrito

Pode-se comparar este método a uma ida ao mecânico onde se procede a uma análise de cada peça do sistema para encontrar a causa do problema. Da mesma forma que um desalinhamento na direcção de um automóvel é notório no desgaste assimétrico dos pneus, também o desgaste articular pode ocorrer devido a desequilíbrios musculares.

Depois de todo este processo, o objectivo é corrigir a causa da disfunção de forma a permitir ao nosso corpo um reequilíbrio mais fácil permitindo assim uma recuperação mais rápida.

E mais! Com a capacidade restaurada dos nossos músculos poderem contrair, pode-se assim eliminar os movimentos parasitas e fonte de dor articular. Os movimentos parasitas são aqueles que nós temos que fazer quando não conseguimos contrair adequadamente os músculos para evitar certas posições difíceis.

 

Resumo do que é o MAT:

  • É um método revolucionário na avaliação e correcção de desequilíbrios musculares, estabilidade articular e limitações de movimentos no corpo humano
  • Método não invasivo concebido para a prevenção, reabilitação de lesões e aumento da performance desportiva para pessoas de todas as idades
  • Um sistema único que ajuda os músculos a contrair eficientemente
  • O foco da intervenção é na causa e não o sintoma

IMG_0039

 

Em que patologias poderão as Técnicas de Activação Muscular ser úteis:

  • Tensão Muscular
  • Lombalgias
  • Cervicalgias
  • Bursites
  • Conflito fémuro-patelar
  • Síndrome da banda ílio-tibial
  • Tendinite do supra-espinhoso
  • Fasciite Plantar
  • Neuroma de Morton

Na minha prática utilizo as Técnicas de Activação Muscular como a fundação de todo o meu processo de trabalho.

Se não se devolver aos músculos a capacidade de contraírem quando solicitados, então estaremos perante músculos que têm uma tolerância muito baixa para suportarem cargas (não só externas, mas inclusive as do próprio corpo), e desta forma não se poderá progredir para as fases seguintes quer durante a reabilitação de lesões quer quando se pretende a melhoria do desempenho desportivo.

Mais sobre as Técnicas de Activação Muscular e o meu processo de trabalho no link seguinte: http://neural-touch.com/index.php/servicos#reabilitacao

 

Contactos:

Télemóvel: 939 442 744

Email: info@neural-touch.com

Facebook: www.facebook.com/neuraltouch

Google+: https://plus.google.com/u/0/118242189471189628903/posts

Twitter: http://twitter.com/NeuralTouch

Instagram: https://www.instagram.com/neuraltouch/

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/neuraltouch?trk=company_logo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s